domingo, 23 de outubro de 2016

Única chance...


Estou cansada. Não é de viver, de continuar construindo meus planos e tirar ele da folha de um papel e correr atrás de cada um deles. Na verdade, estou cansada de depositar esperança aonde já não existe mais nada, só restou o meu amor e você me fez ter a certeza disso. Eu já conheci outras pessoas, outros amores tentaram invadir o meu coração, mas o mais importante ninguém conseguiu, cuidar dele como deveria ser cuidado, como você cuidava. Eu ainda estou me adaptando. Sim. Estou me acostumando com essa ausência desnecessária, essa falta de interesse, esse jogo de orgulho e essa profunda saudade que carrego no meu peito. Quem dera eu pudesse ter você perto de mim, te abraçar como se fosse a primeira vez. Mas eu preciso abraçar a realidade, o fato de que você não está mais aqui, de que os dias são cinzas, que ainda dói, que o vento traz consigo lembranças que eu tento apagar, mas que a borracha do meu coração insiste em não remover todos os planos que escrevi pra nós. Estou confusa, sem rumo, não tenho pressa de encontrar a minha felicidade. Podia até ter pressa, mas meu coração vai se cansar ao correr na caminhada, tudo tem que ser no momento certo, no tempo que for pra ser. Mas uma coisa é certa, eu não posso insistir pra sempre em calçar um calçado que machuca tanto os meus pés, estou cansada de caminhar e não alcançar a minha meta, que é ter você de volta. Vou caminhar sozinha, aos poucos eu me acostumo. Dou meia volta e vem a lembrança do seu sorriso e dos nossos momentos, não agradeço por ter passado, ainda sinto falta, mas agradeço por ter aproveitado cada um deles. Algumas chances a vida só nós da uma única vez e talvez a nossa tenha sido a primeira e última.

Insistir, não dá!


Estou cansada de lutar, mesmo com todas possibilidades de ir, sempre sou a boba, sim, eu escolho ficar, desfaço a mala imaginaria das nossas vidas sem que eu perceba. Eu não queria ir, mas às vezes insistir em segurar a corda sozinha cansa, dói, você solta, já soltou e eu estou me ferindo aos poucos. Não vale a pena continuar nessa história que parece que não vai ter fim, ou melhor, não deveria ter iniciado. Mas eu não tenho culpa de gostar tanto de você dessa maneira, a única culpa que eu tenho é não poder fazer nada para mudar isso. Mas eu posso ir embora, tenho todo direito de ir carregando a dor comigo, até porque ela não é pra sempre. Amor serve para ser correspondido e não quero você pra preencher espaço, é tudo ou nada, completa com intensidade ou se vai e deixa saudade. Saudade depois passa, se vai, da mesma maneira que eu estou decidindo ir e deixar você pra trás.

Imagem : http://amenteemaravilhosa.com.br/aos-que-nos-deixaram-sem-chance-dizer-adeus/

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A depressão e os outros ...


Todo mundo um dia já se sentiu só. Tudo bem. Não, isso deve ser momentâneo, daqui a pouco passa. Os dias passam, acho que realmente estou só. É, tudo acontece na vida dos outros, mas na minha não. Ah, é quem eu amo que vai embora, alguns da minha vida, outros a morte leva, é a mensagem que eu esperava receber que não chega, é a resposta que machuca, é os pais que desacreditam, os pais que somem, que duvidam, são os parentes e colegas que te querem bem, mas nunca melhor que eles. As suas notas que eram altas, começam a despencar, entram em uma grande concentração de decadência, suas notas vão a falência, você, seu coração. Mas você é dedicado, se esforça, perde noite estudando. É, você precisa passar em um vestibular, a sociedade te obriga, às vezes não é o que você quer, mas o que os outros querem pra você. Talvez você seja um aluno que sempre sonhou em ingressar uma universidade, mas seu ensino, ah não foi uma dos melhores.
Você diz que está ótimo : (a), mas no fundo seu coração está despedaçado e olhando para qualquer direção você não encontra uma saída para os seus problemas. Tenta se afastar, corre, eles se aproximam, correm atrás de você, trazem lágrimas, ódio e sensação de desespero. Você tem depressão, mas você sorri, talvez você vá ao colégio, frequente um bom lugar. Talvez você diga estar bem todos os dias, seja o que mais sorrir e dar as melhores gargalhadas. Mas você existe, não vive mais. Cada dia a mais é um dia a menos, percebe que agradecer é necessário, mas vê que ás vezes faltam motivos para que isso ocorra. Você é novo : (a), tinha sonhos, planos, mas você é ansioso : (a), é daquele tipo de pessoa que morre antes de levar um tiro, ou aquela que deseja receber um tiro para perder a vida. Sim, você percebeu que não faz sentido fingir estar bem, ninguém se importa com o que você sente, você se olha no espelho e o cabelo está horrível, se está magra, chora, se engordou demais, também chora. Você sofre bullying, mas chora sozinho. 
Ah, eu quero emagrecer, quero engordar, olha o meu cabelo, ninguém que chega na minha vida permanece. Sim, estou cansado : (a). Pra que eu nasci? É, sim, eu quero saber por quê? Por quê ? Eu não escolhi, não pedi para chegar a esse mundo que só me fere, me faz chorar, me traz desespero e me faz acordar com a vontade de de morrer, de tirar minha própria vida. Estou aqui, eu não durmo bem, não acordo feliz, acordo de mal humor. Logo eu, que sempre fui nervosa, agora eu mal durmo, tenho os nervos a flor da pele, eu choro de madrugada, na rua, no chuveiro, no quarto, eu vou a cozinha, pego faca, penso se vou fazer falta se Deus me levar, ou melhor, se eu tirar minha própria vida. Eu questiono a mim mesma, a depressão traz dúvidas. Você não sabe porque existe, não sabe o que a vida tem para lhe oferecer, seus sonhos, ah, eles estão indo por água abaixo, algo te faz enxergar como incapaz, a felicidade se foi e você acha que a morte é a solução, mas se nem a vida é, quanto dirá a morte meu caro. Eu também queria morrer, ir embora do mundo, ou melhor, ainda quero, mas ela nunca vem pra quem a quer, ela nunca chega pra quem a pede, é, pois é, eu peço tanto, imploro tanto e no fundo só encontro problemas, entrei em um poço escuro, em um lago de dor, onde as lágrimas caem em gotas de sangue, agora choro todas as lágrimas de sangue que minha mãe dizia quando eu era pequena : "pode chorar lágrimas de sangue eu não vou me importar". Estou chorando lágrimas de sangue, ninguém vê, ninguém entende, ninguém se importa. Bato a perna o tempo todo, fico roendo unha, mexo no cabelo, vou e volto no passado, lembro dos meus melhores e piores erros, dos perdões que deixem de dizer, do te amo que deixei de falar, do eu também que evitei pronunciar, invento um futuro que chega a dar uma dor de cabeça infernal, eu não tenho sono, quero dormir em paz, acordo cedo ou não? Já nem me lembro mais, estou esquecendo tudo, você está esquecendo aos poucos, o que mais tem que lembrar, o trabalho do colégio, a xerox da faculdade, o horário do emprego, a conta sem pagar. Pois é, só não se esquece dessa dor que é invisível e só é sentida para quem convive, a depressão.

Imagem de :http://imgbook.blogspot.com.br/2012/03/alone-boy-hd-wallpapers-love.html

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Jogo de interesse, quem vence?

Todo jogo de interesse cansa um dia, aquela disputa pra ver quem vai demorar mais pra responder, quem vai estar online e responder quando quiser, quem vai ligar, quem vai deixar de atender a ligação, quem vai mostrar estar mais feliz ou menos triste que o outro, é, cansa. Logo eu, cheia de sonhos e planos para o futuro fui me afundar nesse oceano que parece não ter volta, mergulhei de cara, quebrei a cara.
  Ele decide entrar em um jogo sem fim com você, você aposta todas energias positivas acreditando que a vencedora desse jogo será você. Pois é, você não irá vencer esse jogo, pois cada a vez que vocês disputam estão perdendo um pouco de si e deixando ainda mais distante o "nós" de vocês dois.
    Ah, se é mania ou não pouco me importa, mas eu sempre espero demais ou me entrego demais, prefiro deixar de lado. Eu brinco com meu próprio coração e esqueço a importância que ele tem pra mim, jogo meu sentimento ao ar como se ele não tivesse valor algum, penso em mandar uma mensagem, mas tropeço na pedra do orgulho e não mando. Ah, quando converso tento ser o mais seca possível, mesmo com tanto amor que cabe aqui dentro do meu peito. Ah, queria que ele soubesse que não queria jogar esse joguinho sem lógica com ele, não tem retorno nenhum, a não ser o aumento do meu pobre orgulho e da saudade que insiste em conviver comigo e lembrar o que mais tenho tentado esquecer, ele. Sou fogo pra amar, mas sou gelo quando preciso, e nesse joguinho fútil eu saí perdendo, ou melhor, já entrei perdendo, quando depositei expectativas na caixinha da minha vida e coração acreditando de corpo e alma de que ele iria se importar com meu lado frio e iria me aquecer, como um cobertor aquece alguém em uma noite fria. Mas não, estou aqui escrevendo com o maior fogo do amor e frieza de sentimentos, sou perdedora por acreditar nele, mais nos outros e pouco em mim. Tudo isso só me fez perceber o quanto esse joguinho não vale a pena, aprendi tanto com a saudade que até decidi escrever sobre nós
.